Penang

Ontem vi um programa no Travel&Living sobre  um destino muito interessante: a ilha de Penang, na Malásia

Situada no lado leste da península da Malásia, Penang é uma ilha, com cerca de 1,5 milhão de habitantes, de diversas origens e etnias, mas com influência principal de chineses, indianos e malaios. Em razão da grande comunidade chinesa, oriunda da província de Fujian, o dialeto hokkien, um dos muitos falados na China, é a principal língua que se ouve na ilha, mas muitos habitantes falam inglês fluente, em razão da antiga colonização britânica. A cultura chinesa também está muito presente no dia a dia dos chamados penangites, que incorporaram muito da culinária, tradições e festivais da terra de seus ancestrais.

A capital da ilha se chama GeorgeTown e é considerada Heritage Site pela UNESCO, concentrando diversas atrações turísticas, como prédios históricos e mercados, que podem ser conhecidas a pé ou de riquixá, aquele meio de transporte tão peculiar da cultura asiática.

Um dos lugares imperdíveis é o Thee Kong Tua (ou Jade Emperor’s Temple), um belíssimo templo dedicado do Imperador Jade, o guardião do paraíso na tradição taoísta. Durante o Ano Novo Chinês, os habitantes da ilha fazem oferendas e devoções no templo. Penang Hill é outro lugar que deve ser visitado, por ser uma montanha a 821 metros de altura onde estão lindas mansões coloniais, hoje transformadas em restaurantes e hotéis de charme.

 O Templo Tee Kong Tua

O templo Kek Lok Si, o maior templo budista da Malásia também é imperdível. Construído em 1890, fica ainda mais bonito na época do Ano Novo Chinês, quando milhares de luzinhas são colocadas na estrutura para marcar a data tão especial. O Buda Deitado de 33 metros de comprimento, que fica no Wat Chayamangkalaram, construído em 1845 por um monge budista atrai muitos turistas o ano inteiro também, assim como o Tropical Spice Garden, único santuário dedicado às especiarias no sudeste asiático, que reúne mais de 500 variedades de plantas da região.

O templo Kek Lok Si
O pavilhão octagonal no Kek Lok Si
O Buda Deitado

Não deixe de ir ao Parque Nacional Muka Head, ao Chor Soo Kong Temple, cujas guardiãs são cobras que os locais acreditam que chegaram até lá para proteção e ao Toy Museum, o maior museu de brinquedos e bonecas do mundo, reunindo mais de 100 mil peças. A ilha conta ainda com praias lindas, passeios pelos rios, muitos mercados de comida, antiguidades e artesanato, shoppings, spas e animada vida noturna.

Uma praia na ilha
O delicioso laksa

A culinária local é uma interessante mistura de pratos chineses, indianos, malaios e detoda a ásia, criando um cardápio único, misturando especiarias, curries, arroz, leite de coco, raízes como gengibre, galanga e noodles, preparados com vegetais e frutos do mar da região. Os pratos principais são  Nasi Kandar, Laksa, Char Koay Teow e Bak Kut Teh, que podem ser provados em restaurantes ou em barraquinhas de street food.

Quanto à melhor época de ir para lá, além do Ano Novo Chinês, recomenda-se a época do Dragon Boat Festival, um festival em homenagem ao poeta chinês Qu Yuan (que viveu por volta de 400 a 200 a.C), que teria se suicidado ao se jogar em um rio, para protestar contra a corrupção. Após sua morte, os habitantes locais teriam corrido aos seus barcos, tocando tambores e espalhando água com os remos, para afastar os maus espíritos da alma de Qu Yuan. Para celebrar esta ocasião, há corridas anuais de dragon boats, transformando-se numa tradição do local.

As disputadas corridas

Não dá vontade de conhecer um destino tão diferente?

* a Air Asia voa para Penang diariamente, de locais como Bangkok, Kuala Lumpur e Hong Kong. Dá para chegar de carro também, saindo do continente.

* Como Penang ainda está na minha wish-list, as fotos não são minhas.

Anúncios